Segunda à Sexta

6h às 17h (12h sáb)

Liga pra gente!

83 3201 7000
Localizador: Senha:

Exposição Solar e os cuidados com a pele

Publicado em 22/02/2017 às 16:53 - Arquivado em Notícias

Durante a maior parte do dia estamos expostos a situações e substâncias que causam danos na pele, no verão principalmente, os cuidados precisam ser redobrados devido as radiações solares UV, A e B, responsáveis por lesionar o interior das células.

As células lesionadas se reproduzem, deixando marcas e contribuindo para o desenvolvimento de câncer. Segundo dados do INCA (Instituto Nacional do Câncer), o câncer de pele é o mais comum no Brasil.

A exposição solar é responsável por 80% do envelhecimento da pele, o uso do protetor é essencial para minimizar os danos causados pelos raios ultravioletas, por isso, especialistas recomendam a aplicação do protetor a cada duas horas, nos casos em que a transpiração é intensa a aplicação pode ser realizada antes, principalmente no verão.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) determinou que as empresas não utilizem mais o termo “bloqueador solar”, uma vez que o produto não bloqueia totalmente os raios solares e o termo poderia confundir os consumidores, dando a falsa ideia de que a pele ficaria 100% protegida.

As crianças também precisam de atenção redobrada nessa época do ano, uma vez que 80% dos danos à pele provocados pelo sol acontecem antes dos 18 anos.

Filtros com fator acima de 30 FPS sofrem uma pequena variação de proteção, o principal diferencial está no tempo de aderência na pele. Para as pessoas que ficam a maior parte do tempo ao ar livre, recomenda-se o uso de um protetor com FPS acima de 30, devido ao tempo de permanência do produto na pele.

O câncer de pele pode acontecer em qualquer idade, contudo, em pessoas de faixa etária mais baixa a incidência é bem menor.

De acordo com o INCA, por ano são registrados 135 mil novos casos de câncer de pele, o equivalente a 25% dos diagnósticos de câncer do Brasil. Por isso, não deixe de fazer uma visita ao médico dermatologista para uma avaliação cutânea, a fim de verificar lesões suspeitas.


Tipos Histológicos de câncer de pele

-Câncer de pele não melanoma (incluindo o carcinoma basocelular e o carcinoma epidermóide).

Este tipo de câncer pode apresentar tumores de diferentes linhagens, como por exemplo, o Carcinoma Epidermóide e o Carcinoma Basocelular, este último apesar de ser o mais comum é o menos agressivo. A estimativa de novos casos é de 175.760, sendo 80.850 homens e 94.910 mulheres. (INCA, 2016).

-Câncer de pele melanoma:

Tem origem nos melanócitos (células produtoras de melanina, substância que determina a cor da pele). Apesar de ser o mais grave e com maior índice letal, este tipo de câncer de pele representa apenas 3% das neoplasias malignas do órgão.


Diagnóstico

Os principais tipos de biopsias para o câncer de pele são: por shaving, onde uma pequena amostra da pele é retirada por meio de uma lâmina ou um bisturi especial, ou por punch onde um cilindro cortante passa pelas camadas da pele, retirando uma amostra de tecido.

 

 


Referências:
ON LINE EDITORA. Guia Cuidados Com a Saúde Extra. Edição 04. Disponível em: < https://goo.gl/3xDAXL > Acesso em: 12 dez. 2016.
O GLOBO. Cuidados com a pele devem aumentar no verão. Disponível em: <https://goo.gl/UY4Idk > Acesso em: 12 dez. 2016.